Redes Sociais: Facebook   Google Plus   Extragram   Twitter   Flickr   Youtube

Notícias


01/04/2005 às 18:00 - Estudantes participam de avaliação de impacto do Segundo Tempo  

Um trabalho inédito identificará os reflexos do Segundo Tempo na vida das crianças e adolescentes beneficiados pelo programa de inclusão social do Ministério do Esporte. Nesta semana, mais de 400 estudantes carentes estão fazendo uma série de exames laboratoriais, consultas médicas e avaliações nutricional e pedagógica. A ação é uma parceria entre Ministério do Esporte o Serviço Social do Comércio (SESC/DF). Hoje (01/04) foi a vez de 100 alunos da Estrutural coletarem sangue para exames.

Para Mateus da Costa, 10 anos, a apreensão inicial para retirar o sangue e o tradicional medo de injeções passou em um instante. Segundo ele, a ação é importante para garantir uma boa saúde. “Não ando me sentindo muito bem. Se eu não ficar bom, não poderei entrar na piscina e praticar o esporte que eu mais gosto, a natação”, revelou.

Já Nicolas Almeida, 9 anos, garante que a oportunidade de contar com serviços médicos não pode ser desperdiçada. “O posto de saúde da Estrutural demora muito para atender e está sempre lotado. Minha mãe adorou saber que as crianças do Segundo Tempo teriam esse privilégio”, conta o jovem.

A fase dos exames clínicos começou na última segunda-feira (25/03) com 200 crianças do Riacho Fundo II, na unidade SESC/Taguatinga Sul. Em seguida, outras 100 crianças de Santa Maria se submeteram aos mesmos exames no núcleo de atendimento do SESC/Gama. “Entregamos coletores de fezes numa conversa com os pais onde explicamos os motivos desse trabalho. Solidários, eles colheram o material dos filhos, que os trouxeram no dia do exame de sangue”, explicou Zenildo Caetano, técnico do SESC.

O Sesc buscou parceria local com uma empresa de análises clínicas, o Laboratório Sabin. Além de disponibilizar cerca de 10 técnicos em coleta, o Sabin doou todo o material - seringas e agulhas descartáveis, álcool, algodão e coletores de fezes - para a realização dos dois exames laboratoriais dos 400 estudantes.

Para cada aluno foi criado um prontuário médico com avaliação antropométrica, ou seja, tiveram altura, peso, índice de massa corporal e postura registrada. De posse do resultado dos exames de fezes e urina, os médicos pediatras do SESC identificam os possíveis problemas de saúde. Em casos mais simples como os de verminoses, anemias e escabioses (coceiras na pele e cabelo), a medicação será receitada e doada pelos profissionais de saúde do SESC.

Problemas de subnutrição e obesidade serão encaminhados para os nutricionistas da entidade, que vão elaborar uma dieta equilibrada para o reforço alimentar que essas crianças recebem do Programa Segundo Tempo. Os estudantes terão acesso também a uma avaliação odontológica com tratamento de cáries (obturações), restaurações, extrações e tratamento de canal, gratuitamente.

“Todas as informações catalogadas no início do Segundo Tempo e ao término serão comparadas. Desta forma, poderemos constatar benefícios do esporte de inclusão social como ferramenta de desenvolvimento humano”, esclarece Zenildo.

Avaliação pedagógica - O núcleo do Segundo Tempo no SESC/Guará trabalha exclusivamente com alunos da Escola Classe 01, a única da Estrutural. As crianças farão testes de Português, na forma de uma redação com o tema “O que espero do programa Segundo Tempo” e outro de Matemática, que aborda conteúdos da disciplina de acordo com a série que estão cursando. Por meio do reforço escolar oferecido pelo programa, a avaliação também identificará índices de evasão escolar, absenteísmo (faltas), baixo rendimento, comportamento e repetência.


Carla Belizária


  Enviar Matéria Imprimir   Compartilhar: Facebook Twitter Orkut Link: