Redes Sociais: Facebook   Google Plus   Extragram   Twitter   Flickr   Youtube

Notícias


23/11/2004 às 12:53 - Fuzileiros criam iatismo para o Segundo Tempo  

Brasília 23/11/2004 - O grupamento dos Fuzileiros Navais de Brasília usou a criatividade para conseguir recursos para implantação da modalidade de iatismo, no núcleo Segundo Tempo/Forças no Esporte. Promoveu uma festa no Clube Naval onde arrecadou cerca de R$ 1.700,00. O dinheiro foi suficiente para recuperar 10 barcos que agora estão sendo usados pelos 100 alunos carentes contemplados no programa de inclusão social do Ministério do Esporte.

O Capitão-de-Mar-e-Guerra Raimundo Lopes Camargos Filho considera como de grande importância a prática de uma modalidade esportiva aquática nesse núcleo do Segundo Tempo. “Tínhamos quase tudo aqui em nosso Grupamento. O Lago Paranoá à nossa disposição, profissionais à postos, coletes salva-vidas, dois barcos de manobra e uma lancha de apoio para manter a segurança. Só faltava o conserto dos 10 barcos a vela”, lembra.

Com a recuperação dos barcos, o futebol que era a modalidade de maior demanda entre os alunos do núcleo perde hoje para a vela. “A garotada, por ser carente, nunca teve acesso sequer a uma piscina para nadar, quanto mais praticar o iatismo que é um esporte de elite porque custa caro”, justifica capitão Camargos.

No núcleo dos Fuzileiros Navais são atendidos estudantes dos ensinos fundamental e médio que moram na Vila Planalto e no assentamento do Varjão, em Brasília. Durante as segundas, quartas e sextas-feiras, no período oposto ao que estudam eles praticam futsal, basquete, vôlei, handebol, natação, iatismo, corrida de orientação, futebol de campo e atletismo.

Os jovens também aprendem taekendo, jiu-jitsu, caratê e judô, atividades estas ministradas pelo professor Lineu. “A idéia é promover a defesa pessoal sem armas”, explica. O Ministério assegura à meninada, além da prática esportiva, alimentação, reforço escolar, uniforme, material esportivo.

Em contrapartida, os Fuzileiros Navais oferecem, além da infra-estrutura esportiva, ônibus para o transporte dos estudantes e atendimentos médico e odontológico. Como atividade extracurricular, contam com aulas de canto, noções de civismo e higiene e palestras sobre Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST) e Combate às Drogas.

Esportes radicais deverão fazer parte da programação. Para isso será utilizada uma caixa d`água que será adaptada para funcionar também como torre de escalada de rappel.

Carla Belizária


  Enviar Matéria Imprimir   Compartilhar: Facebook Twitter Orkut Link: