Redes Sociais: Facebook   Google Plus   Extragram   Twitter   Flickr   Youtube

Notícias


03/08/2004 às 11:32 - Segundo Tempo revela talentos esportivos em Manaus  

“Para ser atleta campeão, não basta ter talento. É preciso ter oportunidade e muita determinação nos treinos para vencer as limitações”. A afirmação do coordenador do programa Segundo Tempo/Navegar, Manasseh Castro Barbosa, é palavra de ordem seguida por 160 jovens atendidos pela parceria Ministério do Esporte e a Secretaria Estadual de Juventude,Esporte e Lazer do Amazonas. Entre os garotos que praticam remo, caiaque e vela mais de 20 apresentam potencial natural de desenvolvimento para competição.

O talento esportivo dos garotos do Segundo Tempo/Navegar poderá ser constatado no próximo dia 15 de agosto, durante o Festival Náutico de Manaus. Eles disputam premiações e medalhas nas três modalidades aquáticas.

O Segundo Tempo/Navegar funciona no bairro da Compensa, dentro de uma unidade do Exército. Atende crianças e adolescentes da população carente de Manaus que moram em palafitas nos bairros Santo Agostinho, São Raimundo, Glória, Vila da Prata e Santo Antônio. Para contemplar a demanda e não submetê-los à forte ação do sol, foram criadas duas escalas. Os jovens praticam atividades esportivas aquáticas, de domingo a domingo, no período de 6h às 10h. E durante as segundas, quartas e sextas-feiras, de 16h às 18h.

As crianças contempladas, em sua grande maioria, apresentam estatura e peso abaixo da média normal da população, auto-estima baixa e pouca resistência orgânica devido à deficiência alimentar. Por isso, o trabalho técnico é feito a médio e longo prazos por conta desses fatores que requerem tempo para serem superados. “A alimentação é muito importante para a vida dessa garotada e o Navegar tem suprido essa deficiência”, assegura Manasseh que também é fundador das federações locais de Remo e de Caiaque.

O programa do Ministério do Esporte conta com apoio da Liga Náutica Amazonense.Além do programa Navegar, administra os projetos Remo Vida e Remo Social. O atendimento é exclusivo para crianças carentes que moram nas margens do Rio Negro, afluente do Amazonas.

“A meta é fazer com que o jovem retome as atividades oferecidas pelo o Segundo Tempo, como a fixação de regras e ocupação do tempo ocioso”, explica Manasseh.

Ailson Heráclitos da Silva, 16 anos, está no terceiro ano de atuação e possui performance para competir em qualquer campeonato brasileiro do remo olímpico na categoria júnior. “Aqui ele ganha tudo”, orgulha-se Manasseh, informando que o próximo passo será encaminhá-lo para disputar campeonatos nacionais.

No Segundo Tempo/Navegar o Ministério do Esporte assegura, além da alimentação, estrutura física de barcos, lancha e material de apoio. O atendimento é realizado por 11 profissionais que atuam na área, entre coordenador (professor de Educação Física), monitores (estagiários), auxiliares, secretária e marinheiro para manutenção dos barcos.

Carla Belizária


  Enviar Matéria Imprimir   Compartilhar: Facebook Twitter Orkut Link: