Redes Sociais: Facebook   Google Plus   Extragram   Twitter   Flickr   Youtube

Modalidades

Modalidades
 ARCO E FLECHA  CORRIDA DE FUNDO
 ARREMESSO DE LANÇA  CORRIDA DE TORA
 CABO DE FORÇA  FUTEBOL MASCULINO
 CANOAGEM  FUTEBOL FEMININO
 CORRIDA DE 100 METROS  NATAÇÃO/TRAVESSIA

 

ARCO E FLECHA: A prova é individual e cada competidor terá o direito a três tiros. O alvo será o desenho de um peixe. A distância entre o alvo e a posição do arqueiro será de aproximadamente 30 metros. A contagem de pontos será a soma de acertos em cada área do alvo. Haverá uma primeira fase eliminatória, que irá classificar para a segunda etapa somente doze atletas que tiverem as melhores pontuações. Na segunda fase inicia-se uma nova contagem de pontos, que irá definir o primeiro, segundo e terceiro colocados.

ARREMESSO DE LANÇA: Cada delegação indígena deverá escrever um atleta. Cada atleta terá o direito de realizar três arremessos durante a competição. A contagem de pontos que irá definir o primeiro, segundo e terceiro colocados, será pela maior distância arremessada. Haverá apenas uma fase nesta prova.

CABO DE FORÇA: Cada delegação indígena poderá inscrever no máximo duas equipes, uma masculina e a outra feminina, composta de dez atletas e dois reservas. Será utilizado o sistema de eliminatória simples em todas as fases, até chegar a uma equipe vencedora.

CANOAGEM: A prova é realizada em duplas. O vencedor será identificado pela arbitragem a partir da passagem da ponta da proa da canoa na linha demarcatória.

CORRIDA DE 100 METROS: Cada delegação indígena poderá inscrever no máximo duas equipes, uma masculina e a outra feminina, cada uma composta por dois atletas. Serão classificados para as séries seguintes somente os primeiros colocados, a serem definidos pela Comissão Técnica.

CORRIDA DE FUNDO: Não há limite de inscrição de atletas para essa prova que será de aproximadamente cinco mil metros, sendo essa modalidade uma prova individual masculina e feminina. Haverão duas largadas, a primeira será de prova feminina e após 15 minutos a largada da prova masculina. Será permitido aos competidores o reconhecimento do percurso antes da prova.

CORRIDA DE TORA: Prova só para atletas do sexo masculino. A competição será dirigida e observada por, pelo menos cinco “juízes” neutros. Cada etnia deverá formar uma equipe com 10 atletas corredores e mais três reservas. Os competidores terão que dar duas voltas na pista, dentro da arena. Caso haja empate na segunda largada, haverá a terceira largada. A largada será sempre entre duas etnias (equipes), escolhidas previamente por sorteio. Será utilizado o sistema de eliminatória simples em todas as fases, até chegar a um vencedor.

FUTEBOL MASCULINO: Cada equipe indígena poderá inscrever no máximo 18 atletas. As partidas de futebol serão regidas pela Instrução Geral dos Jogos e pela regras em vigência na Confederação Brasileira de Futebol. O tempo de jogo será de quarenta (40) minutos, divididos em dois tempos de vinte (20) minutos cada, com cinco (5) minutos de intervalo para descanso.

FUTEBOL FEMININO: Cada equipe indígena poderá inscrever no máximo 15 atletas. As partidas de futebol serão regidas pela Instrução Geral dos Jogos e pela regras em vigência na Confederação Brasileira de Futebol. O tempo de jogo que será de quarenta (40) minutos, divididos em dois tempos de vinte (20) minutos cada, com dez (10) minutos de intervalo.

NATAÇÃO/TRAVESSIA: Cada delegação indígena poderá inscrever no máximo duas equipes, uma feminina e uma masculina, composta de dois atletas, sendo essa modalidade uma prova individual. Haverá duas largadas, uma na prova masculina e a outra feminina.

Modalidades Tradicionais
 AKÔ  TIHIMORE
 CORRIDA DE TORA  XIKUNAHATY
 JÃMPARTI  ZARABATANA
 JAWARI  KATUKAYWA
 KAGOT  RONKRÃ
 KAIPY  

 

Todos os esportes tradicionais indígenas são realizados apenas como forma de demonstração e celebração entre os representantes das etnias. Não há prêmio para a equipe vencedora e nem juiz para intermediar as "partidas".

AKÔ: Trata-se de uma corrida semelhante ao revezamento (4 x 400 m) praticado no atletismo, mas é praticado somente pelo Povo Gavião Parkatêjê e Kiykatêjê, originários do sul do Pará. É uma corrida de velocidade (corrida de varinha) em que duas equipes de atletas (casados e solteiros) correm em círculo, revezando em quatro atletas, usando uma varinha de bambu, espécie de bastão que vai passando de mão em mão. Eles darão voltas até chegar ao último atleta. Ganha quem chegar primeiro.

CORRIDA DE TORA: Apresentada pelos atletas (homens e mulheres) dos povos, Xavante, Krâho, Kanela e Gavião Kyikatêjê.

JÃMPARTI: É uma corrida de tora praticada pelo Povo Gavião Parkatêjê e Kiykatêjê do sul do Pará, que obedece praticamente os mesmos rituais de outros povos, porém há uma peculiaridade em relação a essa atividade. Trata-se do uso de toras em que o peso ultrapassa mais de 100 quilos, o diâmetro chega a medir mais de 1.60 m e pode ser carregada por dois atletas. Realizada sempre no período final das corridas de toras tradicionais. Dando o sentido de sincronismo, harmonia e força. Nesta manifestação as mulheres também participam. Não há um prêmio para o vencedor, haja vista que somente a força física e a resistência são demonstradas.

JAWARI: Praticado exclusivamente pelos povos indígenas habitantes do Alto Xingu, localizado no estado Mato Grosso. É jogado com 15 ou mais atletas de cada lado, em campo aberto de tamanho ao do futebol. Cada time se posiciona agrupado em seu lado. Um atleta de cada lado simultaneamente sai à frente de sua equipe com uma flecha como que dançando para arremessar ou evitar ser acertado pelo seu oponente que está a sua frente, quem for acertado “morre” e está fora do jogo, até restarem os dois últimos de cada time e quem “matar” ganha o jogo. Esse evento é precedido do ritual do canto tradicional yawari tulukay, onde as mulheres participam. No final todos dançam e cantam juntos (oponentes e adversários). Todos os atletas recebem uma pintura corporal especial para evento com barro branco Uêiki.

KAGOT: Praticada pelos Povos Xikrin e Kayapó do Pará, se assemelha ao Yawari, porém com algumas características peculiares, típico do grupo que fala a língua do tronco Macro-Jê. É um jogo com flecha, jogado com 15 ou mais atletas de cada lado, em campo aberto de tamanho ao do futebol. As flechas são preparadas sem a ponta, que é substituída por um invólucro de palha ou côco, de maneira que essa “ponta” não possa ferir ao atingir ao guerreiro. Depois dos rituais tradicionais de cantos e danças o jogo se inicia com as equipe dividas e agrupadas uma de frente para outra. Um guerreiro de cada equipe vai ao centro do campo ambos com uma flecha na mão, provocando o adversário, um deles toma a iniciativa de procurar acertar o seu oponente com essa flecha arremessando, o que guerreiro que vai ser o alvo fica esperando “dançando” à frente no sentido de evitar ser atingindo. Ao atingir ganha se o ponto, errando fica então o arremessador sendo o alvo e assim sucessivamente até restar apenas dois competidores dentro do campo. Ganha a equipe que “matar” o último guerreiro da equipe adversária. Após o evento, todos dançam e cantam juntos (oponentes e adversários). Todos os atletas recebem uma pintura corporal especial e suas indumentárias características para essa modalidade.

KAIPY: É um exercício de tiro com flechas, praticado pelo Povo Gavião Parkatêjê e Kiykatêjê do sul do Pará, onde se prepara as habilidades dos arqueiros. As flechas são atiradas em um “alvo” preparado ao chão com folhas da palmeira, que são dobradas, deixando o caule da folha apoiada sobre duas madeiras fixas ao solo. O guerreiro, a uma distância entre 5 e 10 metros, atira em direção a essa dobra, fazendo com que ponta da flecha acerta rente ao caule, resvalando como se fosse uma mola, ganhando mais impulso e retomando sua em direção a um alvo fixo normal, pontuando nos acertos pré-determinados. Outra forma de competição dessa mesma modalidade é tentar arremessar a flecha mais longe.

KATUKAYWA: Uma espécie de jogo de futebol em que é “chutado” apenas com o joelho, praticado pelos indígenas habitantes do Parque Nacional do Xingu, estado do Mato Grosso.

RONKRÃ: É um esporte coletivo tradicionalmente praticado pelo Povo Kayapó do estado do Pará. Assemelha-se ao hockey sobre grama. Jogado em um campo de tamanho semelhante ao do futebol de acordo com o número de atletas. Divididos em dois times com 10 ou mais atletas de cada lado. De posse uma espécie de borduna (bastão) cada atleta, cujo objetivo é rebater uma pequena bola feita de coco especialmente preparada para a modalidade. Os atletas de cada time se posicionam em fila de dupla indiana de frente com o seu adversário, colocando o bastão ao chão. A bola é colocada no centro para que uma das equipes escolhida dê a primeira rebatida para o adversário, iniciando o jogo, onde os atletas saem lateralmente de suas posições para defender, rebater para o campo oposto ou mesmo para o companheiro de frente e assim sucessivamente até chegar e ultrapassar a linha de fundo, marcando o ponto. De acordo com informações dos kayapós, esse esporte já não estava mais sendo praticado devido estar se tornando “violento”, causando graves contusões aos competidores. Curiosamente este esporte tem toda a semelhança a um dos esportes mais popular no Canadá, o Lacrosse, que é considerado de origem indígena.

TIHIMORE: Jogo de arremesso com bola de marmelo, praticado pelas mulheres do povo Paresi, do estado do Mato Grosso.

XIKUNAHATY: (Zigunahiti) É uma espécie de "futebol de cabeça", com bola de látex fabricada pelos Povos Paresi, Nambikwara e Enawenê Nawê, do estado de Mato Grosso.

ZARABATANA: Arremesso de dardos com zarabatanas, praticado pelos povo Matis, originários do Amazonas.

LUTAS CORPORAIS

  1. AIPENKUIT: Praticado pelo povo Gavião Kyikatêjê (homens) do estado do Pará.
  2. HUKA-HUKA: Praticado pelos povos xinguanos (homens e mulheres).
  3. IWO: Praticado pelo povo Xavante, do estado de Mato Grosso.
  4. IDJASSÚ: Praticado pelo povo Karajá da Ilha do Bananal.