Redes Sociais: Facebook   Google Plus   Extragram   Twitter   Flickr   Youtube

Notícias

 

23/11/2012 às 14h40 - ARTIGO: A chave para o legado dos Jogos Olímpicos  

Artigo do presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), Jacques Rogge, publicado na edição desta sexta-feira (23.11) do jornal O Globo

“As últimas Olimpíadas do meu mandato de 12 anos como presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI) provocaram um grande alarde em meados deste ano em Londres. A prova deste sucesso continua ressoando em mim diariamente na forma da seguinte pergunta: "Será que foram as melhores Olimpíadas da história?"

Apesar de que me agradaria muito responder de forma afirmativa, sei que ainda é muito cedo para dizer isto. Minha resposta é sempre a mesma: "Vamos deixar a História julgar."

Digo isso não para tirar o mérito das milhares de pessoas responsáveis pela realização de Londres 2012, que foi claramente um sucesso em todos os níveis, mas para chamar a atenção sobre a importância considerável que o COI atribui ao legado - o que fica para uma cidade-sede olímpica bem depois do fim dos 16 dias de competição esportiva.

As Olimpíadas são o maior evento esportivo do mundo e para muitas cidades-sede constituem o maior e mais complexo projeto que elas já empreenderam. A organização afeta a cidade e sua população, incluindo frequentemente o desenvolvimento urbano, econômico, social e ambiental, o que requer o envolvimento irrestrito e coesivo de líderes municipais, autoridades regionais e nacionais, organizadores dos Jogos, comunidades locais, parceiros comerciais e todos os membros do Movimento Olímpico.

O COI incentiva ativamente cada cidade que se candidata para sediar as Olimpíadas a refletir desde o início sobre como poderá utilizar o evento para proporcionar benefícios positivos e duradouros para sua área e cidadãos. Este tipo de planejamento começa em geral dez anos antes do início dos Jogos Olímpicos.

Por exemplo, na época da escolha da cidade-sede, em Cingapura, em 2005, Sebastian Coe, que era o presidente do comitê de candidatura de Londres 2012, dizia que os organizadores ingleses já tinham uma visão fixa e muito detalhada do que eles queriam realizar para 2012 e além.

Isto compreendia a regeneração de uma extensa área industrial desertada na Zona Leste da cidade, proporcionando à comunidade local arenas esportivas de classe internacional para treinamentos e competições, novas áreas para parques e residências, melhores conexões e infraestrutura de transportes, um aumento do voluntariado, bem como a criação da nova geração de campeões esportivos fomentando a atividade física para os jovens de toda parte.

O custo da organização dos Jogos Olímpicos de Londres 2012 propriamente ditos foi cerca de 2 bilhões de libras, sendo a maior parte arcada pelo COI e por recursos privados. Mas as autoridades locais destinaram em seguida 9,3 bilhões de libras para alavancar as Olimpíadas como um catalizador de desenvolvimento e melhoria acelerados da cidade, de forma tangível e intangível, o que de outra maneira levaria décadas para se realizar.

As Olimpíadas de Londres 2012 já realizaram muitas de suas promessas e, graças à continuação no cumprimento de outras, somos otimistas e acreditamos que os cidadãos de Londres tirarão proveito dela durante muito tempo no futuro.

As bases das realizações de Londres neste campo estavam firmemente assentadas no conhecimento e na expertise dos organizadores das Olimpíadas no passado. Os vastos projetos de regeneração urbana empreendidos por Barcelona em 1992 e Sidney em 2000, os padrões ambientais e de sustentabilidade estabelecidos por Lillehammer em 1994 e Vancouver em 2010, bem como os programas de fomento do voluntariado e da participação juvenil de Beijing em 2008 são apenas algumas dentre as muitas histórias de sucesso dos precedentes organizadores que Londres usou como um trampolim para os próprios Jogos.

Como um vínculo entre as cidades-sede do passado, do presente e do futuro, o COI ajuda os organizadores das Olimpíadas por meio de um vasto programa de transferência de conhecimentos. Os organizadores dos próximos jogos na Rússia (Sochi 2014), Brasil (Rio 2016) e Coreia do Sul (PyeongChang 2018) já estão se beneficiando desse programa, que compreende um importante debriefing que o COI organiza para fornecer às futuras cidades-sede uma visão abrangente do que funcionou bem nas precedentes Olimpíadas e o que pode ser aperfeiçoado.

Os organizadores de Londres têm muito a transmitir aos seus sucessores, que receberão insights essenciais sobre, entre muitas outras coisas, a produção e o direcionamento para uma visão a longo prazo da Olimpíada, a importância da colaboração entre todas as partes durante as fases de planejamento e preparação, bem como os meios para integrar o público no evento.”

  Enviar Matéria Imprimir   Compartilhar: Facebook Twitter Orkut Link: